Estadual

GREVE NA EDUCAÇÃO 24/06/2019 14:45

Mauro Mendes vai tentar pessoalmente conciliação em reunião com grevistas

Para o governador, enquanto a folha de salários estiver acima do limite da LRF não haverá recomposição dos subsídios pagos aos servidores do Estado

Da Redação

Mesmo sem qualquer disposição para ceder às reivindicações dos educadores em greve, o governador Mauro Mendes (DEM), confirmou na manhã desta segunda-feira, 24, que irá pessoalmente à audiência de conciliação com a direção do Sintep. A audiência foi determinada pela Justiça e será mediada pelo Ministério Público. O governador descartou, no entanto, que vá aceitar alguma das reivindicações dos grevistas.

Segundo Mauro Mendes, não há recursos para que o Estado banque direitos como reposição de perdas salariais (RGA) e de dobra do poder compra dos salários do funcionalismo da educação previsto na Lei 510/2013. “Isso foi dito sempre e de lá pra cá nada mudou. Nós não mentimos, falamos absolutamente a verdade e a realidade”, declarou o gestor, durante evento na manhã desta segunda-feira (24) na Assembleia Legislativa. 

 Mendes ressaltou que os argumentos apresentados pelo Executivo para não pagar a Revisão Geral Anual (RGA) aos funcionários permanecem. Segundo ele, enquanto o Estado não se enquadrar na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) não irá reajustar salários. “Tem uma Lei de Responsabilidade Fiscal e uma séria dificuldade financeira. Vamos a qualquer diálogo ao qual formos convidados, mas entendemos que só é possível mudar nossa conduta quando o Estado recuperar o limite de 49% de gasto com pessoal”, afirmou. 

Na semana passada, a desembargadora Maria Erotildes Kneip, do Tribunal de Justiça (TJMT), determinou que governo e grevistas se reunissem para conciliação. O Ministério Público Estadual (MPE) deve participar das negociações para que se chegue a um acordo e seja encerrada a paralisação que se estende desde o dia 27 de maio. 

O encontro está marcado para amanhã (25), mas sem local definido ainda, conforme a assessoria do Ssindicato. 

Para forçar os servidores a retomarem para as escolas, em 3 de junho o Executivo anunciou o corte de ponto dos grevistas. A medida foi autorizada pela Justiça, no dia 11.

Os deputados de Mato Grosso também entraram na negociação entre a categoria e os servidores para que se busque uma solução para o fim do movimento paredista. 

Eles reivindicam pagamento da RGA, concurso público e melhor infraestrutura nas escolas.

 Outro lado

 O Sintep afirmou que não recebeu nenhuma proposta do governo e que somente com uma proposição haverá negociação.

Com informações da Gazeta Digital


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo