Nacional

21/11/2020 13:10

Bolsonaro reclama de protestos antiracistas e choca participantes do G20

Brasil 247 e UOL

Constrangimento, choque e indignação eram os sentimentos entre algumas delegações estrangeiras da ONU, após o discurso de Jair Bolsonaro na abertura da cúpula do G20, neste sábado (21), em que reclamou dos protestos  contra o racismo no Brasil.

De acordo com reportagem de Jamil Chade, do UOL, uma parcela das delegações não entendeu imediatamente do que se tratava. Mas para quem acompanhava a situação do país, como uma negociadora de alto escalão de um país europeu a fala de Bolsonaro deixou ela e outros membros da delegação "em choque" ao ouvir a "tese de conspiração" sobre o racismo no Brasil. "Como é que, em pleno século 21, ainda escutamos tais discursos?", questionou a diplomata, na condição de anonimato.

"Fontes ainda confirmaram que diplomatas estrangeiros trocaram mensagens comentando a atitude do brasileiro, enquanto outros, sem saber o motivo da declaração, buscavam entender do que Bolsonaro falava", contou Chade, destacando que uma delegação de uma das agências da ONU, a reação foi de indignação, chamando a atenção pelo fato de Bolsonaro não ter feito nenhuma referência sobre a vítima e nem sobre a necessidade de uma resposta que leve em consideração a Justiça.

A reação de Bolsonaro também gerou preocupação de governos diante de seu comportamento em relação aos direitos humanos e sua recusa em colocar em questão a ação de policiais.

Uma parcela dos diplomatas latino-americanos, porém, não se surpreendeu. Negociadores lembraram como, em meados do ano diante dos debates na ONU sobre a morte de George Floyd, o governo brasileiro optou por tentar enfraquecer uma resolução no Conselho de Direitos Humanos que visava investigar e pedir uma apuração sobre o caso nos EUA.

O Itamaraty ainda deu ordens para que a delegação do Brasil nos debates saísse em defesa do papel da polícia.

O discurso de Bolsonaro gerou críticas até mesmo dentro do Itamaraty. Enquanto alguns diplomatas apontavam para o resgate da ideia da "democracia racial", outros alertaram que a narrativa tenta restabelecer a ideia de um "homem cordial" no Brasil e a construção de uma imagem fictícia de um país onde negros, indígenas e brancos tinham participações iguais na formação do "brasileiro".

Em um comunicado, a organização repudiou o fato de o brasileiro ter sido "brutalmente agredido" e pede investigação. "A violenta morte de João, às vésperas da data em que se comemora o Dia da Consciência Negra no Brasil, é um ato que evidencia as diversas dimensões do racismo e as desigualdades encontradas na estrutura social brasileira", diz a ONU.

 

 


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo